Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nike

18.09.14

Outra das minhas aventuras no shopping enquanto esperava pela hora do cinema (arre, que isto dava uma saga) foi na Nike. Menino E. queria comprar roupa para correr (conceito interessantíssimo, que dá pano para mangas, mas fica para a próxima). Bangladesh, China, Malásia, Taiwan, Indonésia. Até as camisolas da Seleção Nacional. Uma marca cara, que claramente está a gastar os seus milhões em publicidade e marketing e muito pouco interessada nas pessoas que explora. Tenho dois pares de sapatilhas da Nike, já bem antigos, um dos quais até já aguentou um InterRail e chegou melhor que eu ao final - que o povo explorado faz sapatilhas que é uma categoria. Umas são azuis e as outras são vermelhas. As azuis foram as primeiras e as vermelhas, sei agora, as últimas.

 

Mas voltando à minha história. Chateei-o tanto, mas tanto, que ele chamou um funcionário para ver se eu me calava. Calei, mas persegui-os, a ele e ao funcionário, pela loja a mostrar-lhe etiquetas. Resultou porque ele saiu da loja sem gastar nada. Nem dinheiro, nem espaço na consciência.

 

E sim, sei que é impossível evitar estas coisas por completo - não pretendo ser mais papista que o Papa - mas olhei para aquela loja fina e cara, cheia de luzes e cores, com os artigos impecávelmente expostos e funcionários simpatiquíssimos. Tudo o que vi foi pobreza.

A Converse foi comprada pela Nike em 2003.

publicado às 18:22


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Joana

foto do autor


Neste mar

Sobre tudo e sobre nada. História e política. Brincadeiras e aventuras. Literatura e cinema. Trivialidades e assuntos sérios. Arte e lusofonia. Dia-a-dia e intemporalidade. E, claro, um blogue com sotaque do norte.